Conheça Maastricht: a incrível mistura romana da Holanda

Como viajantes, na maioria das vezes, pensamos na Holanda (oficialmente chamada de Países Baixos) como sendo Amsterdam. O turismo do país é muito concentrado na capital. No entanto, nos últimos anos, outras cidades têm entrado para o roteiro das pessoas. Esse post veio te dizer justamente para você não pensar na Holanda como Amsterdam. Não me entenda mal, somos apaixonados por Amsterdam! É uma das cidades mais incríveis da Europa! Maaaas, outras cidades, como é o caso de Maastricht (Mastrique, em português), merecem entrar no seu roteiro. Mas afinal, o que conhecer em Maastricht?

Porque conhecer Maastricht?

O primeiro motivo para você querer se aventurar na cidade é a facilidade para se chegar até ela. Seja de Amsterdam, de Bruxelas, de Colonia, de Dusseldorf ou de outras cidades na região, Maastricht é fácil acesso, uma vez que o país todo é razoavelmente pequeno. A cidade está na divisa da Holanda com a Bélgica, também perto da fronteira com a Alemanha. Apesar de ser uma cidade bem legal, Maastricht pode ser conhecida em apenas um dia, apesar de que passar a noite lá não seria má ideia.

O segundo motivo não pode deixar de ser a história de Maastricht. Por fim, mas não menos importante, a sua arquitetura. A cidade é um prato cheio para os amantes de construções históricas, importantes e diferentes. Devido a sua história, Maastricht é a maravilhosa e única mistura de Itália com Holanda. O resultado é incrível!

Um pouco sobre a cidade

Maastricht é uma das cidades holandesas mais antigas. Em alguns sites, dizem ser a mais antiga da Holanda. Sua posição em relação ao Rio Mosa a tornou favorável ao desenvolvimento e colonização romana. A cidade foi fundada pelos romanos e graças a essa colonização, Maastricht possui, ao mesmo tempo, a arquitetura romana e a holandesa. Não precisa de muitos esforços para reconhecer a diferença entre elas:

Casas no estilo holandês.

Ruas italianas no estilo romano.

Imagine dois estilos mesclados em uma cidade só! Algumas ruas são mais holandesas e outras mais misturadas, com ruínas romanas e construções mais assimétricas.

A cidade se divide entre as duas margens do rio Mosa (ou Maas, em holandês). A estação de trem está de um lado e o centro histórico de outro, mas é tranquilo fazer o caminho a pé. Aliás, não gastamos nada com transporte na cidade! Mesmo tendo algumas atrações turísticas, o mais legal é andar pela cidade.

Quem acompanha o blog sabe que o que mais gostamos nas cidades que conhecemos e andar pelas ruas e curtir o clima da cidade. Mais que atrações. Maastricht é uma dessas cidades para você conhecer sem estar fissurado em atrações que não pode deixar de ver. Na minha opinião, as principais atrações são as combinações entre as duas civilizações da cidade.

Maastricht é também conhecida entre os holandeses como uma cidade para se fazer compras. O centro da cidade é bem voltado para pedestres e cheio de lojas, shoppings, mercados e feiras. Além disso, é uma cidade multicultural, especialmente pela quantidade de estudantes, por sua fama na fabricação de cerâmica e papel e pela indústria e comercio. Maastricht é uma cidade para todos.

Por fim, uma curiosidade. Você sabia que o aprendiz dos três mosqueteiros morreu em Maastricht? Pois é. O famoso D’Artagnan morreu por lá e fizeram até uma estátua para ele. Para quem quiser conferir, ela fica no enorme parque Stadspark, perto da rua Aldenhofpark.

Créditos: Irmgard Geul

O que conhecer em Maastricht

Saindo da estação de trem, você pode se encaminhar para a Ponte Sint Servaasbrug (Ponte de São Servácio). É só seguir a avenida que termina na estação. É uma linha reta até a ponte e o centro histórico. A parte da cidade que fica do mesmo lado do rio que a estação, não tem muita coisa turística para se ver, apesar de muito agradável.

Estação de trem de Maastricht.

Atravessando a Ponte Sint Servaasbrug, você irá chegar na parte mais comercial da cidade. Um pedaço lindo e bem movimentado. Passeie um pouco pelas ruas, mas se quiser seguir o meu conselho, visite as atrações antes de se perder por esta parte, especialmente para quem vai no inverno, quando o dia é mais curto.

Ponte Sint Servaasbrug.

Este pedaço da cidade é um charme a noite. Caminhe pela cidade durante o dia, conheça o que quer conhecer e depois volte para curtir melhor este pedacinho. Lá tem muito bares e lojas legais, então aproveite!

Basílica de Nossa Senhora (Basiliek van Onze Lieve Vrouwebasiliek)

Foto nas costas da Basílica.

Se você quiser seguir a minha dica, depois de conhecer um pouco essa região mais comercial, se encaminhe para a basílica. É o prédio mais antigo da cidade. A construção é linda por dentro e por fora. A igreja é muito bonita por dentro e ainda tem um museu rico em objetos da arte sacra e outros objetos de prata e ouro. Dizem que a estátua de Nossa Senhora que se encontra na igreja já realizou milagres.

As janelas são estreitas, pois na época de sua construção, os romanos tinham medo que uma janela grande a fizesse cair. Não sabiam ainda calcular o tamanho de uma janela corretamente. Por via das dúvidas, escolheram janelas pequenas em estilo gótico. A maior parte da basílica foi construída entre os séculos XI e XII e seus arcos decorados são exemplos da arquitetura medieval. Ah, e a entrada é gratuita.

Helpoort

A Helpoort (que significa porta do inferno) foi construída em 1229, sendo a porta mais antiga de Maastricht. É, na verdade, o mais antigo da Holanda e o único restante em Maastricht. Dentro dela tem um pequeno e agradável museu que remonta a história da cidade. A entrada é gratuita, mas ele fica aberto só no verão.

A cidade foi fortificada na época medieval e não romana. É possível subir no topo das muralhas (mas só descobrimos isso depois). Foi na época da construção desta muralha, que Maastricht recebeu o título de cidade oficialmente. Por cerca de dois séculos, estas fortificações se mantiveram, garantindo a proteção da cidade. Depois deste período ele foi usado como arsenal, depósito de pólvora e oficina.

No século XX, passou por uma restauração e ficou mais parecido com o que era na época em que foi uma fortaleza e não um depósito. O portão foi chamado de porta do inferno devido ao calor liberado pelas oficinas de ferreiros que haviam em seu interior.

Stadspark

Este é o principal parque da cidade. É bem grande, mas não tem muitas atrações, como qualquer parque. Tem um cercadinho com animais, a estátua de D’Artagnan (do outro lado do parque) e lindos caminhos para passear.

Perto do pequeno rio que passa no parque, tem uma ponte bem legal também. Como fomos no inverno, o programa de sentar e curtir o parque não era tão legal quanto seria em outras épocas do ano. Por isso, não andamos tanto por lá, mas sem dúvidas vale a pena. Especialmente no verão e primavera.

Forte de São Pedro (Fort St. Pieter)

Atravessando o parque, não muito afastado do centro histórico e turístico, esta o Forte de São Pedro. O forte fez parte da defesa da cidade, inclusive faz parte da história de D’Artagnan, que morreu nas muralhas da cidade. Canhões, sinais de batalha e muita história cercam o forte. Além de uma importante peça histórica da cidade, o forte tem uma das mais belas vistas de Maastricht!

Sua construção é datada do ano 1702 e foi restaurando em 2007 para restabelecer sua arquitetura e deixá-la mais autêntica. É possivel fazer uma visita guiada e assim entender melhor o que se passou nas fortalezas da cidade. Além disso, conheça melhor a rede de túneis secretos que ligando o forte às cavernas do Monte de São Pedro (St. Pietersberg). A visita dura cerca de 1 hora.

Igreja Oude Minderbroederskerk e redondezas

Voltando pelo parque, procure andar nas ruazinhas que o rodeiam. Elas tem alguns vestígios romanos e seguem a arquitetura deles mais que a holandesa. Ruas mais tortas, casas mais baixas e algumas ruínas. Um exemplo maravilhoso da junção dos dois estilos é a rua Lang Grachtje, onde de um lado dela existem ruínas romanas, e do outro construções holandesas.

A charmosa rua Lang Grachtje.

Ainda nessa região, está a Oude Minderbroederskerk, uma igreja católica também muito charmosa. Menor que a basílica e com bem menos riquezas, mais ainda bem legal e contrastante com o estilo holandês. Quando fomos até Maastricht, ela estava fechada, então só conhecemos por fora, mas aproveite que estará nessa região para conhecer o prédio.

Perto da igreja está um dos pontos mais conhecidos pelos turistas de Maasstricht, o Bisschopsmollen (moinho do bispo). É o moinho mais antigo do mundo ainda em funcionamento. O moinho fica nos fundos do que é hoje um restaurante.

Moinho do bispo.

Nós estamos sempre atualizados com as melhores dicas para viajar barato! Coloque seu nome e e-mail abaixo para receber gratuitamente novas publicações do Diário de Navegador em sua caixa de entrada! 😀

Não vai ficar fora dessa, né?

Vrijthof: a praça central de Maastricht

Como em quase toda cidade, a praça principal é rodeada de coisas para fazer. Bares, restaurantes, lojas, muitas pessoas. Tudo isso você encontra por lá! A Vrijthof é a maior praça de Maastricht. Originalmente, a praça era um cemitério e, logo depois, foi um espaço para execuções.

Hoje, é um espaço para várias apresentações, sendo a principal o Carnaval de Maastricht, onde todos se fantasiam e vão até a praça para assistir o içamento de um mascote gigante. No verão acontecem concertos ao ar livre na praça.

Confira mais sobre o carnaval de Maastricht no blog Holandesando!

Basílica de São Servácio (Basiliek van Sint Servaas)

Basílica de São Servácio a direita e Igreja de São João a esquerda.

Além disso, ainda tem algumas atrações turística na praça e na sua vizinhança. No centro da praça está a Basílica de São Servácio (Basiliek van Sint Servaas). O santo foi o primeiro bispo de Maastricht e foi enterrado na igreja no ano 384. Desde o século IV, fiéis fazem uma peregrinação até Maastricht e sua igreja. É possível visitar o seu túmulo dentro da igreja.

Apesar dele estar enterrado dentro da igreja, ela só foi construída no século X, embora existisse uma estrutura naquele mesmo local antes. Seu tamanho teve de ser ampliado várias vezes para fazer caber todos os fiéis que foram aumentando durante os séculos. Por isso, a igreja tem traços romanos e góticos, por exemplo. A igreja tem também algumas obras de arte sacra expostas. Ela abre todos os dias e a entrada é gratuita.

Igreja de São João (Sint Janskerk)

Bem ao lado da Basílica de São Servácio, está a Igreja de São João (Saint-Janskerk), construída em estilo gótico. Durante o verão, é possível subir na sua linda torre vermelha e ter a melhor vista da cidade.

A igreja foi originalmente construída para servir como batistérios da Basílica de São Servácio por volta de 1100. Ela só se tornou uma igreja independente no século XVII. Ela tem afrescos do século VIII, um órgão de 1780, e túmulos entalhados resultado da reforma protestante. Já foi destruída em partes por ventos fortes e teve de ser reconstruída.

A distinta torre vermelha da igreja foi feita com base na Catedral de Utrecht e tem 70 metros de altura. Aos domingos, a igreja é fechada para os turistas para os cultos protestantes.

Igreja Dominicana (Dominicanenkerk)

A dois quarteirões da praça está a Dominicanenkerk outra igreja para entrar na sua lista de Maastricht. Além de ser uma bela igreja, é também uma livraria, com livros novos e usados. Dentro da igreja, está o afresco mais antigo da Holanda, sobre a vida de São Tomás de Aquino, pintado em 1330. Existem também algumas lápides no chão.

A igreja gótica foi construída pelos dominicanos por volta de 1200. No entanto, durante a ocupação francesa na região, se transformou em uma paróquia. Deste então, serve com diferentes propósitos como depósito de estacionamento de bicicletas, armazém, casa de impressão, correios, galeria e uma sede para a Orquestra Municipal de Maastricht. Atualmente, como livraria, sedia também exibições, palestras e debates.

A livraria abre todos os dias e nas quintas fica aberta até mais tarde e é bem cheia nos finais de semana.

Castelo de Valkenburg

Para quem vai passar a noite em Maastricht ou tem mais tempo na cidade, aproveite para conhecer o Castelo de Valkenburg. Ele fica na cidade vizinha (bem próxima) de Maastricht, Valkenburg aan de Geul. O castelo medieval possui cavernas subterrâneas e uma linda vista da cidade.

Ele é datado de 1115 e foi quase completamente destruído pelo rei inglês Henrique V em 1122. Ele foi reconstruído no século XIV e novamente destruído em 1672 pelo rei britânico Guilherme III. Desde então, o castelo é uma conjunto de ruínas que remontam sua história de batalhas, principalmente com ingleses e franceses.

Nos meses de novembro e dezembro acontecem feiras de Natal dentro das cavernas, o que deixam o passeio ainda melhor!

Confira as épocas do ano em que está aberto para visitação, os preços e outras informações no site oficial do castelo aqui.

O que comer

Opções aqui não faltam! Além dos maravilhosos stroopwafel (a tradução literal é waffle com calda), um biscoito holandês maravilhoso que consiste em duas partes de waffle grudadas por um caramelo, existem algumas opções mais específicas de Maastricht.

Bolinhos de canela, pães com cobertura de chocolate e o uitsmijter, um pão recheado de carne ou queijo coberto com ovos fritos, são pratos famosos da cidade. Waffles com sorvete e cobertura de chocolate também são muito vendidos, apesar de provavelmente não serem uma invenção local.

Bares próximos a praça central.

Como chegar

Como eu já disse, chegar até Maastricht é fácil. Claro que depende muito de onde você está partindo. Selecionamos aqui as principais cidades que ficam perto do Maastricht e que dão para você fazer o passeio bate e volta.

Saindo de Amsterdam

Apesar de parecer um pouco longe, ainda assim dá para ser um passeio bate e volta. Se você estiver indo no inverno, fique mais atento aos horários dos transportes para sair o mais cedo possível. Como no inverno os dias são mais curtos, pode ficar apertado para conhecer tudo. Mas não desanime! É super possível de ser feito.

De trem são cerca de 2h30 a 3 horas de viagem. Você pode comprar o bilhete com a empresa holandesa NS. Os bilhetes custam em torno de 25 euros o trecho. Lembre-se que transporte intermunicipal na Holanda é um pouco caro.

Saindo de Eindhoven

Coloquei Eindhoven na lista porque conhecemos Maastricht saindo por lá. Estávamos lá hospedados na casa de um amigo e aproveitamos a proximidade para conhecer Maastricht. Saindo de Eindhoven, a viagem de trem dura cerca de 1 hora. Os bilhetes também podem ser comprados com a empresa NS e custam em torno de 16 euros.

Saindo de Bruxelas

Saindo da capital belga, Maastricht está a 2h15 de ônibus. Não existe trem direto (pelo menos não achei), então acredito que o trajeto de ônibus, que é direto, seja a melhor opção. A empresa responsável é Flixbus, uma empresa low cost européia. Os valores variam muito, especialmente se comprados em cima da hora. Mas é possível comprar por um preço bem baixo, menos de 10 euros o trecho.


Se você gostou desse post e quer dar uma olhadinha nele outras vezes, salva a imagem abaixo no seu painel de viagens no Pinterest! 😀

o-que-conhecer-em-maastricht

E você, já visitou Maastricht? Conte pra gente como foi!

Lembre-se que o DDN está aberto a críticas e sugestões via Facebook, comentários e através do nosso contato direto.

Compartilhe suas ideias