Saiba como economizar em Paris

Paris é a típica cidade que todo mundo quer conhecer. É o lugar que mais recebe turista no mundo e não é à toa. É uma combinação de história, modernidade, gastronomia e moda. Sempre achei que Paris fosse ser uma cidade superestimada e mais amada que merecia. Eis que tive a oportunidade de me apaixonar de vez pela capital francesa e rever a minha opinião. Afinal, clichês são clichês por um motivo, não é? E foi pensando nos vários viajantes como você que desejam conhecer um pouco mais ou pela primeira vez os ares parisienses, que preparamos algumas dicas de como economizar em Paris!

Por estar na zona do Euro, Paris pode ser uma viagem um pouco carinha. Mas é bem possível economizar em pequenas coisas que vão fazer uma grande diferença no orçamento da sua viagem. A França no geral é um país caro. Paris é uma é a cidade mais cara da França, mas tem uma gama de lugares gratuitos, passes para estudantes, supermercados baratos e variadas opções de hospedagem. Por isso vale a pena se atendar a todo os detalhes e dicas para economizar ao máximo e ainda ter uma viagem memorável.

Acredito que a primeira sugestão é a mais óbvia e ainda assim a mais descredibilizada. Para conseguir fazer uma viagem econômica, é preciso muito planejamento. Se planeje com antecedência, junte dinheiro, tenha tempo o suficiente para comprar uma passagem aérea em bom preço, pesquise bem as hospedagens, já saiba tudo o que você pretende conhecer (e quanto custa) mesmo que descubra mais coisas na hora.

Descubra: Seguro Viagem – vale a pena contratar?

Arco do Triunfo no começo da Champs-Élysées, um dos lugares inesquecíveis de Paris.

Arco do Triunfo no começo da Champs-Élysées.

Um bom planejamento faz total diferença na sua viagem. Já aconteceu comigo de ficar de olho em uma passagem por muito tempo e conseguir uma promoção relâmpago para comprá-la. Entenda, promoções sempre aparecem, mas quantas vezes você realmente compra a passagem? Apenas quando já sabe que quer ir, já sabe que pode ir e tem o mínimo da sua viagem planejada.

Eu já sabia que queria ir para Paris, já sabia quantos dias estaria disposta a ficar na cidade e até quanto poderia pagar pelo passeio. Quando consegui a promoção da passagem (que a propósito foi de graça), comprei sem pensar duas vezes, pois já tinha uma viagem planejada. Essa foi minha primeira economia em Paris.

Lembre-se que para fazer uma boa viagem, não é preciso muito dinheiro. Claro que ficar em hotel caro, comer em restaurantes famosos e comprar de tudo é maravilhoso, mas realisticamente falando, não é necessário. Nos vários mochilões que fizemos aprendi que andar pela cidade, comer em restaurantes desconhecidos e fora do centro turístico, fazer uma caminhada noturna, observar as pessoas locais e conhecer atrações gratuitas fazem uma viagem maravilhosa.

Em último caso, compre uma garrafa de vinho de EUR 1, sente no jardim embaixo da Torre Eiffel e curta o momento (como é tão comum entre os parisienses e turistas). Ainda assim é Paris e a experiência é valiosa da mesma forma.

Como economizar com transporte

O transporte pode ser um peso financeiro muito grande na sua viagem. Por isso, sempre pesquise diferentes meios de transporte e rotas para chegar até onde você quer.

A França é o destino mais procurado do mundo, então existem várias opções de trens, ônibus e aviões. Aí vai depender muito de onde você está. Primeiramente, existem voos diretos do Brasil pela companhia aérea Air France. Existem também várias outras opções de companhias aéreas para escolher. Aqui vão algumas: Lufthansa, British Airways, Air France, TAP, KLM, LATAM e Alitalia.

Para quem já está na Europa, uma boa opção de voos são as empresas low coast Ryanair e EasyJet. Para quem quer ir de trem, uma opção muito comum na França são a Rail Europe, OUIGO e a TGV. Por fim, não deixe de conferir empresas de ônibus como Megabus, Eurolines, Ouibus e OrangeWays.

Saiba mais: 6 dicas de como encontrar passagens aéreas baratas!

Transporte em Paris

Com o transporte dentro de Paris, considere o máximo possível a pé. Acreditamos que a grande graça das cidades está na suas ruas, nas pessoas e nos trajetos. E vamos combinar que andar por Paris não tão ruim, né? Evite pegar metro ou ônibus para todos os lugares e gaste mais tempo andando pelas belíssimas ruas parisienses. Quando precisar usar o transporte público, analise bem quantas vezes irá usar e escolha entre o bilhete individual ou os bilhetes diários ou para mais de um dia.

Se você é o tipo de viajante que adora seguir de metro até as atrações e gastar mais tempo nelas (até porque em Paris é inevitável usar o metrô), o bilhete diário ou para mais de um dia são uma ótima opção. Ele acaba saindo mais em conta e te dá a segurança de já estar com o transporte garantido. Em Paris tem um carnê de 10 bilhetes, o passe Navigo de uma semana (que vai de segunda a domingo) e o passe mensal. Existe também o passe Velib para quem prefere andar de bicicleta.

Conheça: 6 regras de outros países que você precisa conhecer antes de viajar.

Aluguel de carro

Acredito que não é o caso da maioria, mas se alguém pretende alugar um carro em Paris para conhecer outras cidade, saiba que é possível economizar com isso também.

Antes de alugar um carro, analise a real necessidade de gastar dinheiro aqui. A Europa no geral é muito bem conectada e existem várias empresas de transporte e elas sempre fazem promoções. Para andar em Paris, a última coisa que você precisa é um carro. Se até a classe média de Paris (e muitos ricos) andam de metrô, saiba que é porque realmente é a melhor opção. Verifique se o aluguel de um carro não vai encarecer muito sua viagem!

Se for uma coisa que realmente quer (ou precisa), busque reservar com antecedência. Mais uma vez, se planejar e preparar antes ajuda a poupar uma graninha. Fique de olho também nas promoções. Outra vantagem da antecedência é poder monitorar os sites e aguardar promoções (busque fazer isso na janela anônima).

Compare o preço das empresas! Pode achar uma grande diferença entre elas. Para isso, use este site.

Como economizar com hospedagem

Esse tópico é um pouco delicado. Hospedagem para muitas pessoas é pouco importante porque dormem tranquilamente em qualquer lugar e para outras é um ponto valiosíssimo da viagem. Vou deixar aqui nossa sugestão pessoal baseada em nossas experiências.

Uma dica geral para quem quer se hospedar gastando pouco é escolher hostels ou ficar em área um pouco mais afastadas do centro turístico. A primeira dica é mais para mochileiros que topam dividir quarto e curtem o ambiente descontraído de um hostel. A segunda deve ser analisada quase que caso a caso.

Quando falo afastado do centro turístico, não me refiro a um lugar longe, desconhecido e que gaste muito tempo ou dinheiro com transporte até as atrações. Mas me refiro a escolha de não ficar hospedado na esquina da Torre Eiffel e sim no bairro vizinho, por exemplo. Se a diferença de preço estiver pequena e você quiser preferir ficar mais perto da torre, beleza, será uma ótima estadia. Mas as vezes você consegue abaixar um pouco (quando se soma todas as diárias fica mais barato ainda) e usa essa diferença em outra coisa, como um jantar mais legal ou uma atração paga.

A época do ano que você pretende viajar também é muito determinante nos seus gastos. Para fazer uma viagem mais barata, considere viajar no outono ou no inverno. Nessa época as passagens aéreas e as hospedagens chegam a ficar até 40% mais baratas. Conheci Paris no inverno e ainda assim estava linda. Consegui fazer todos os passeio (e quase sem fila nenhuma) e paguei barato na hospedagem e meu transporte foi de graça em uma promoção de inverno. O único passeio que achei que ficou um pouco prejudicado foi o Palácio de Versalhes, já que não adianta esperar jardins maravilhosos no meio do inverno europeu.

Saiba mais: 7 dicas para encontrar hospedagem barata (ou até grátis!)

Hospedando por Airbnb

Outra dica que dou e que é extremamente válida em Paris (inclusive foi a que usamos) é olhar apartamento pelo Airbnb. Pegamos um apartamento inteiro para nós dois e pagamos mais ou menos o valor dos hostels que pesquisamos na época. Quando falo assim parece que foi um apartamento gigante só nosso, mas na verdade era uma cama, tv com um móvel bonitinho e cozinha tudo integrado no mesmo ambiente. O banheiro ficava de fora do apartamento e era comum para todo o andar. Para a descrição de um hostel, mas eu juro que era um prédio residencial. Pagamos cerca de EUR 25 a diária para cada por um ambiente só nosso e com cozinha.

Saiba mais: Hospedagem alternativa: como funciona o Airbnb?

Para quem optar pelo Airbnb, fique bem atento aos comentário de quem já se hospedou, pesquise bastante e entenda as condições do dono do imóvel. Tive uma experiência super positiva (o apartamento que ficamos não está mais disponível 🙁 ) e uma anfitriã que apesar de não ter conhecido pessoalmente, foi muito bacana e direta com a gente.

Esse tópico segue uma regra geral que independe de Paris. Aqui a dica é reservar com antecedência e ser flexível na data e na localização. Independente de qual meio de hospedagem (hotel, hostel, Airbnb, casa de amigos…) confira sempre a distancia do metrô. Transporte em Paris é coisa séria, pois a cidade possui uma das maiores redes de metrô do mundo. Mesmo usando pouco o transporte, é um grande facilitador.

Conheça: Hospedagem grátis pelo mundo: o que é Couchsurfing?

Outras economias ligadas a hospedagem

Procure também hospedagens que ofereçam alguma refeição e compare com alguma que não ofereça. Em uma diferença muito pequena pode ser uma grande ajuda, como aconteceu com a gente em Barcelona (saiba mais aqui). Se for uma diferença um pouco grande, considere comprar sua refeição no supermercado e economizar na hospedagem. Inclusive, foi um dos motivos que nos levou a escolher o Airbnb: cozinha. Tinha um supermercado na esquina (ficamos perto da estação Place de Clichy) que nos ajudou muito.

Uma última dica para economizar com hospedagem é dar preferência para viajar de noite. Quando você compra um ônibus ou trem noturno, acabam economizando com uma diária. A maioria esmagadora de hostels na Europa, deixam você guardar a sua mala em uma salinha deles depois de ter feito o check out. Se for viajar de noite, não precisa pagar a hospedagem desse dia.

Por exemplo, você está saindo do hostel às 10 horas da manhã de uma sexta feira. Se for viajar durante a noite de sexta para sábado, sua próxima hospedagem será a partir das 10 horas de sábado. Desta forma, você não está pagando pela hospedagem de sexta para sábado, pois irá passar a noite dentro do transporte. É uma boa dica se você estiver vindo de outro país da Europa e principalmente se estiver seguindo viagem para outro destino depois.

Usamos muito desse tática! Principalmente na nossa viagem da Grécia e também entre Praga e Budapeste. Só nessas duas viagens, já foram umas 3 diárias economizadas!

Nós estamos sempre atualizados com as melhores dicas para viajar barato! Coloque seu nome e e-mail abaixo para receber gratuitamente novas publicações do Diário de Navegador em sua caixa de entrada! 😀

Não vai ficar fora dessa, né?

Como economizar com alimentação

A primeira dica que dou é uma que uso em todas as minhas viagens e sempre me permitiu economizar muito. Vá ao supermercado e compre sua comida! Se você está em um hostel, casa ou qualquer outra hospedagem que te permite cozinhar, seu economia será bem grande. Cozinhar a própria comida te permite economizar em absolutamente todas as refeições. Na hora da janta, cozinhávamos no apartamento e economizávamos essa refeição, assim podíamos almoçar em restaurantes e provar pratos franceses.

É uma coisa que sempre valorizamos muito em um hostel. Se ele tem cozinha, mas é um pouco mais caro, ainda vale a pena. O ruim é quando não encontramos nenhuma opção com cozinha. Mas ainda assim é possível economizar.

Vá ao supermercado e compre suas garrafas de água (em bares, lojas e na rua custam bem mais). Além disso, compre lanches que não precisam ser refrigerados o tempo todo, como sanduíches, pão, sucos, refrigerantes, bolachas (ou seriam biscoitos?) e até barrinhas de cereal. Desta forma, você não precisa gastar mais indo em uma padaria ou lanchonete. Para itens que precisam ser refrigerados, basta comer na hora. Identifique o supermercado mais perto de você e use-o sempre.

Economizando em restaurantes

A França, a grosso modo, pode ser um país de alimentação muito cara. Mas, procurando bem na sua região, é possível encontrar restaurantes com preços mais em conta. Para achar esses restaurantes a primeira coisa é se afastar um pouco dos pontos turísticos. Você não irá encontrar nada barato por ali. Preste atenção onde os espanhóis estão indo e procure segui-los. Os nativos costumam sinalizar comidas típicas legítimas e mais baratas.

Nos restaurantes, procure o “menu du jour”. É tipo um “prato feito” brasileiro e costuma ser bem servido, gostoso e mais barato. Para beber, sempre dê uma olhada nos vinhos (principalmente o vinho da casa), já que vinho é uma bebida mais em conta na França.

Não deixe de ler o nosso post sobre onde comer barato em Parispois além de dicas de restaurantes e pratos parisienses, tem também algumas dicas de supermercados mais baratos.

Uma dica extra é conferir site como o La Fourchette, que dá descontos em vários restaurantes da França em geral. O site Les Petites Tables dá sugestões de restaurantes até EUR 10 (o site é em francês).

Como economizar com atrações

Se você é estudante da União Européia, como foi o nosso caso, você estará no paraíso. Mesmo sendo uma cidade cara, Paris tem várias atrações totalmente gratuitas para estudantes. Menores de 26 anos também consegue entrar de graça em vários lugares. Para quem está fora desses descontos, a primeira dica que dou é visitar as atrações gratuitas da cidade, como museus, o Rio Sena, Torre Eiffel (sem subir), Arco do Triunfo (sem subir), etc.

Mais uma vez o planejamento vai te ajudar a economizar. Estude um pouco sobre o que Paris oferece e liste tudo aquilo que você quer conhecer. Para te ajudar, fizemos uma lista das atrações de Paris. Confira a primeira parte da lista aqui e a segunda parte aqui. Assim que você souber tudo o que quer conhecer, olhe o preço de cada atração e vá preparado para gastar com aquilo que você realmente quer. Tem gente que não abre mão de subir na Torre Eiffel e jantar no restaurante que tem lá com uma bela vista da cidade. Tem outros que querem muito conhecer o Louvre. E tem aqueles que trocam um museu por uma boa caminhada no Quartier Latin. Descubra quem é você nessa viagem e se programe financeiramente.

Analise a soma das atrações que te interessam e veja se não vale a pena comprar o Paris Pass. Ele te dá o direto de ir em inúmeras atrações e você ainda tem prioridade na fila. Dependendo da época do ano que você estiver na cidade, vai ver que as filas são enormes.

Se você não comprar o Paris Pass, saiba que tem uma forma de driblar um pouco a fila. Acredito que seja a única solução: acorde cedo e esteja lá antes da atração abrir. Foi assim que conseguimos ver a Monalisa no Museu do Louvre com poucas pessoas em volta e serem os primeiros a subir na Notre Dame sem ter mais ninguém nas nossas fotos.

Torre Eiffel, um dos lugares inesquecíveis de Paris.

E vou te contar que o amanhecer em Paris deveria ser uma atração turística, de tão lindo que é.

Como economizar com compras

Lembrancinhas

Andando por Paris, percebi que os melhores (e mais baratos) lugares para comprar lembrancinha são na beira do Rio Sena e no Quartier Latin.

Nas margens do Rio sena, existem várias “barracas” que vendem fotos, desenhos e pinturas por um preço bem acessível e com muita variedade. Mesmo durante o inverno, várias barracas continuam vendendo. Elas vendem imagens de vários tamanhos e preços e ainda rende um passeio super legal por uma das regiões mais bonitas de Paris. Mesmo se não for comprar nada, o passeio vale a pena.

O Quartier Latin é bem famoso pelas lojinhas turísticas. Mesmo sendo abertamente para turistas, consegui comprar muita coisa com preço bom. Chaveiros, imãs, camisetas, cadernos, porta copos e miniaturas são facilmente encontradas e costumam ter promoções para quem vai levar mais de uma. Por exemplo, comprei uma miniatura de Torre Eiffel de uns 15 centímetros por menos de EUR 5.

Nas proximidades da Sacrè Coeur também existem algumas lojinhas no estilo do Quartier Latin.

Roupas

A Europa tem uma padrão bem menos consumista que o nosso. Por isso, é muito comum ver bazares, feiras e brechós em quase todas as cidades. Na França, essa cultura é bem enraizada e é extremamente normal ver pessoas de classe média e turistas em vários desses lugares. Inclusive, foi uma das coisas que mais admirei nos europeus. Se alguma vestimenta ou calçado estragou, você não desfaz dele e compra outro. Você concerta primeiro e evita gastos desnecessários. Nesse ponto são bem mais conscientes.

Em Paris é muito normal ver brechós vendendo roupas no quilo. Se isso não é economia, não sei o que é!

A maioria das roupas são vintage, que são queridinhas dos parisienses. Tem um brechó que tem uma loja no bairro Marais (atrás do Louvre) e uma no Saint Germain (ao lado do Quatier Latin). A loja se chama Kilo Shop e é referência nesse conceito de loja.

Outros brechós famosos são o Freepstar, na região de Marais e o Chine Machine que tem duas unidades. Uma fica perto da Sacré Coeur e outro que fica perto do metrô Odéon na Boulevard Saint-Germain. No geral a região próxima a Sacré Coeur tem várias boas opções de brechós.

Existem também as lojas low coast europeias. São muito famosas por seus preços baixos e variedade de produtos. Em Paris, visite a Primark, Forever 21, H&MBershka, C&A, etc. Bem atrás do Museu do Louvre tem várias dessas lojas.

Sapatos

Tanto para roupa quanto para sapatos, as melhores épocas de fazer compras em Paris é na promoção de verão (entre junho e julho) e em janeiro na promoção de inverno, as chamadas “soldes“.

Mas tem uma loja específica que mantém preços acessíveis mesmo fora das épocas de promoção. Ainda assim, é para quem está afim de gastar mais um pouquinho. A loja se chama Stock André e fica na 31, Avenue des Gobelins. Eles fazem promoções com mais frequência e você consegue comprar um sapato com até 50% de desconto, normalmente. Mesmo assim, esteja disposto a gastar cerca de EUR 30 a EUR 50 por um scarpin e até EUR 30 em uma bolsa.


Se você gostou desse post e quer dar uma olhadinha nele outras vezes, salve a imagem abaixo no seu painel de viagens no Pinterest! 😀

Foi pensando nos viajantes que desejam conhecer mais ou pela primeira vez os ares parisienses, que preparamos algumas dicas de como economizar em Paris!

 

E você? Já esteve em Paris? Compartilhe sua experiência!

Lembre-se que o DDN está aberto a críticas e sugestões via Facebook, comentários e através do nosso contato direto.

Compartilhe suas ideias