Como economizar na Itália: conheça a bota dentro do orçamento

Por estar na zona do Euro, a Itália acaba sendo um país um pouco caro de se conhecer. A moeda é um pouco desfavorável e o custo de vida um pouco alto. Para fazer a minha viagem pela Itália, foi preciso muito planejamento. E é com este espírito que resolvemos fazer este post para te ajudar a economizar na Itália!

Este post faz parte da Blogagem Coletiva (#economizaremviagens) que reune vários blogs em torno de um tema em comum. Cada blog contribui com um post diferente sobre o tema de economizar em viagens.

E aqui estão os posts feitos pelos blogs participantes:

 

Saiba mais: Qual é o melhor seguro viagem para a Europa?

  1. Como economizar com transporte

O transporte pode ser um peso financeiro muito grande na sua viagem. Por isso, sempre pesquise diferentes meios de transporte e rotas para chegar até onde você quer.

A Itália é um destino muito procurado na Europa, então existem várias opções de trens, ônibus e aviões. Aí vai depender muito de onde você está. Primeiramente, existem voos diretos do Brasil pelas companhias aéreas Alitalia e LATAM, por exemplo.

Para quem já está na Europa, uma boa opção de voos são as empresas low coast Ryanair e EasyJet. Para quem quer ir de trem, uma opção muito comum na Espanha são a Rail Europe e a Renfe. Por fim, não deixe de conferir empresas de ônibus como Megabus e ALSA.

Uma dica para facilitar sua pesquisa por transporte: consulte o site Go Euro! Eles são um comparador de preços e passagens que vende passagens aéreas, bilhetes de trem e passagens de ônibus! Mais completo não fica 😉

Aqui no blog recomendamos que você faça sua pesquisa de passagem aérea pela Max Milhas, uma empresa que vende passagens com preços bem mais acessíveis.

50 Off 728x90

Saiba mais: Bolonha: cidade base para conhecer o norte da Itália

Transporte na Itália

Com o transporte dentro das cidades da Itália, considere fazer tudo (ou quase tudo) a pé. Acreditamos que a grande graça das cidades está na suas ruas, nas pessoas e nos trajetos. Evite pegar metro ou ônibus para todos os lugares e gaste mais tempo andando pelas belíssimas cidades italianas! Quando precisar usar o transporte público, analise bem quantas vezes irá usar e escolha entre o bilhete individual ou os bilhetes diários ou para mais de um dia.

Se você é o tipo de viajante que adora seguir de metrô até as atrações e gastar mais tempo nelas, o bilhete diário ou para mais de um dia são uma ótima opção. Ele acaba saindo mais em conta e te dá a segurança de já estar com o transporte garantido. Mas na Itália, a grande maioria das cidades não tem metrô, então isso vale mais para cidades como Roma e Milão.

No nosso caso, optamos por caminhar pelas cidades na maioria das vezes e usar o transporte público apenas quando necessário. Por isso, sempre compramos os bilhetes individuais na Itália e apenas em Roma e Florença. As cidades menores realmente podem ser feitas a pé.

Conheça: 6 regras de outros países que você precisa conhecer antes de viajar.

  1. Como economizar com as atrações

Uma dica bem usada na Itália é comprar os ingressos das atrações pela internet. A Itália tem atrações um pouco caras, então economizar nos ingressos vai te ajudar a ter uma viagem mais barata. Além disso, com o bilhete comprado na internet, você pode evitar filas!

Você pode comprar os ingressos por esse site. Inclusive, vou deixar algumas atrações aqui para te ajudar:


Para quem quer conhecer a Itália e não pretende gastar tempo e dinheiro com muitas atrações, pesquise quais são as atrações gratuitas na cidade que você vai. Não são muitas, mas em Bolonha, por exemplo, você pode visitar igrejas como a Basílica di Santo Stefano, a Basílica di San Petronio e o Santuario Madonna di San Luca, além das praças, universidade e ruas incríveis.

Saiba mais: Itália: saiba o que conhecer em Veneza

  1. Como economizar com alimentação

A primeira dica que dou é uma que uso em todas as minhas viagens e sempre me permitiu economizar muito. Vá ao supermercado e compre sua comida! Se você está em um hostel, casa ou qualquer outra hospedagem que te permite cozinhar, seu economia será bem grande. Cozinhar a própria comida te permite economizar em absolutamente todas as refeições.

É uma coisa que sempre valorizamos muito em um hostel. Se ele tem cozinha, mas é um pouco mais caro, ainda vale a pena. O ruim é quando não encontramos nenhuma opção com cozinha. Mas ainda assim é possível economizar.

Vá ao supermercado e compre suas garrafas de água (em bares, lojas e na rua custam bem mais). Além disso, compre lanches que não precisam ser refrigerados o tempo todo, como sanduíches, pão, sucos, refrigerantes, bolachas (ou seriam biscoitos?) e até barrinhas de cereal. Desta forma, você não precisa gastar mais indo em uma padaria ou lanchonete. Para itens que precisam ser refrigerados, basta comer na hora. Identifique o supermercado mais perto de você e use-o sempre.

Alimentação na Itália

A Itália, a grosso modo, é um país de alimentação muito cara. Mas, procurando bem na sua região, é possível encontrar restaurantes com preços mais em conta. Para achar esses restaurantes a primeira coisa é se afastar um pouco dos pontos turísticos. Você não irá encontrar nada barato por ali. Preste atenção onde os italianos estão indo e procure segui-los. Os nativos costumam sinalizar comidas típicas legítimas e mais baratas.

Nos restaurantes, procure o “piatto del giorno”. É tipo um “prato feito” brasileiro e costuma ser bem servido, gostoso e barato. Para beber, sempre dê uma olhada nos vinhos (principalmente o vinho da casa), já que vinho é uma bebida mais em conta na Itália – bem mais que cerveja.

Saiba mais: O que conhecer em Verona: um passeio pela terra de Romeu e Julieta

Aperitivos italianos

A Itália nos oferece uma maravilha no quesito alimentação. São os chamados “aperitivos”.

É comum na cultura italiana um happy hour com os amigos no bar depois do serviço. Por isso, os bares já são preparados para atender esse tipo de demanda.

Os aperitivos funcionam da seguinte maneira: você consome a bebida do bar e tem acesso a uma mesa no estilo buffet com comida de graça. Isso é ótimo, porque você pode tomar uma cerveja apenas ou uma taça de vinho e comer no bar. Não vai ser a melhor comida, mas é uma alternativa interessante para quem quer aproveitar o happy hour sem gastar muito.

Aperitivos.

O que são osterias, trattorias, tavernas e ristorantes?

Mais uma dica super importante sobre alimentação! Talvez uma das mais importantes e ao mesmo tempo mais negligenciada.

Os italianos dividem as categorias de estabelecimentos e comidas com estes nomes: osteria, trattoria, taverna ristorante. Se você pretende economizar na alimentação – e também fugir do “pega-turista”-, é importante saber diferenciar cada um.

Osteria

Uma osteria, por exemplo, oferece opção, digamos, “mais caseiras” para os clientes. Normalmente possuem cardápios do dia e poucas opções de pratos. Não pense que são comidas inferiores ou estabelecimentos ruins. Muito pelo contrário. Eu amo osterias e comi pratos incríveis. Eu as considero um pouco mais legítimas que ristorantes, por exemplo.

As osterias são os estabelecimentos mais acessíveis (claro, não estamos falando de padarias, lanchonetes ou outras “comidas de rua”). São ambientes com poucas mesas e que passam a sensação de exclusividade ao mesmo tempo que possuem preços melhores. No geral, você consegue comer um ótimo prato e beber um vinho casa e pagar em torno de 12 a 18 euros. Se optar por entrada e sobremesa, pode chegar até 30 euros por pessoa.

Osteria em Parma

Taverna

Já uma taverna, é mais parecida com um bar. Por isso, pode ser mas barato que uma osteria, mas possivelmente com menos opções de comidas regionais e mais opções de bebidas. A atmosfera também é um pouco mais agitada. Em alguns casos de tavernas mais “chiques”, o estilo é menos bar e mais restaurante, então mesmo que você não procure por bebidas ou mais pessoas, não descarte esta opção.

Tavernas são ótimas e tem comidas bem gostosas. É possível beber um pouco de vinho ou cerveja e comer um petisco gostoso por uns 15 a 20 euros por pessoa. Para comer mais um prato principal, fica em torno de 30 euros por pessoa.

Saiba mais: 3 coisas que aprendi morando na Itália

Trattoria

As trattorias, são ambientes quase sempre de comida regional e ar intimista. São menos luxuosas que ristorantes mas criam essa atmosfera familiar também. São famosas pelo bom preparo da comida e por atrair muitos dos italianos, além dos turistas. E repito esta dica aqui (seja para economia ou boa experiência): se os locais vão lá, vá também. Ali tem coisa boa!

Em uma trattoria, você pode comer bem e gastar em torno de 30 a 50 euros por pessoa.

Ristorante

E por último, mas definitivamente não menos importantes, os ristorantes. Chegamos na categoria mais cara de alimentação. A Itália possui ristorantes incríveis e que valem o preço. Maaaas, em alguns casos, você vai entrar em um ristorante, pagar caro na comida e comer com menos qualidade que em uma osteria, por exemplo.

Isso porque os ristorantes estão bem presentes nos centros turísticos e muitas vezes cobram mais caro que deveriam para te vender um “spaghetti a bolognesa”, que nem é um prato italiano de verdade.

Nada contra ristorantes, tenho até amigos que vão rs. É só um alerta de que um ristorante no meio do centrão turístico de Roma, pode não ter nem o melhor preço e nem a melhor comida. Use o seu bom senso para julgar se aquele estabelecimento pode te oferecer um bom custo X benefício.

E se você quer economizar mesmo, pode fugir de qualquer ristorante. Aqui os preços variam entre uns 25 euros por pessoa ao infinito!

Você encontra com a gente sempre as melhores dicas sobre nômades digitais e sobre viajar barato! Coloque seu nome e e-mail abaixo para receber gratuitamente novas publicações do Diário de Navegador em sua caixa de entrada! 😀

Não vai ficar fora de dessa, né?

  1. Como economizar com hospedagem

Esse tópico segue uma regra geral que independe da Itália. E por isso, uma dica geral para quem quer se hospedar gastando pouco é escolher hostels e dividir o quarto com outros viajantes. Se esta não é a sua forma de viajar, não tem problema. Existem outras formas de economizar também.

Aqui a dica é reservar com antecedência e ser flexível na data e na localização. Concordo que a localização diz muito sobre o seu passeio e sempre procuro ficar bem localizada nas cidades (até porque te ajuda a economizar com transporte!)

Mas seja um pouco flexível e tente se afastar um pouquinho do centrão turístico. Ficar do lado dele ao invés do meio dele é tão bom e perto quanto, só um pouco menos glamoroso. É como escolher se hospedar em frente ao Coliseu  ou três quarteirões ao lado. Pode ter certeza que a diferença de preço é grande.

Esse tópico é um pouco delicado. Hospedagem para muitas pessoas é pouco importante porque dormem tranquilamente em qualquer lugar e para outras é um ponto valiosíssimo da viagem. Vou deixar aqui nossa sugestão pessoal baseada em nossas experiências.

Quando falo afastado do centro turístico, não me refiro a um lugar longe, desconhecido e que gaste muito tempo ou dinheiro com transporte até as atrações. Mas me refiro a escolha de não ficar hospedado na esquina do Duomo di Milano e sim no bairro vizinho, por exemplo.

Se a diferença de preço estiver pequena e você quiser preferir ficar mais perto da torre, beleza, será uma ótima estadia. Mas as vezes você consegue abaixar um pouco (quando se soma todas as diárias fica mais barato ainda) e usar essa diferença em outra coisa, como um jantar mais legal ou uma atração paga.

Saiba mais: Morar na Itália sem falar italiano é possível?

Economia vai além da localização

A época do ano que você pretende viajar também é muito determinante nos seus gastos. Para fazer uma viagem mais barata, considere viajar no outono ou no inverno. Nessa época as passagens aéreas e as hospedagens chegam a ficar até 40% mais baratas.

Aproveite para escolher uma hospedagem que fique próxima a alguma estação de metrô nas cidades maiores. Mesmo usando pouco o transporte, é um grande facilitador para ir e voltar do aeroporto ou quando você está cansado e não quer pegar um táxi.

Procure também hospedagens que ofereçam alguma refeição e compare com alguma que não ofereça. Em uma diferença muito pequena pode ser uma grande ajuda, como aconteceu com a gente em Barcelona (saiba mais aqui). Se for uma diferença um pouco grande, considere comprar sua refeição no supermercado e economizar na hospedagem.

Saiba mais: Saiba como ter internet móvel na Europa

Precisa mesmo se hospedar?

Uma última dica para economizar com hospedagem é dar preferência para viajar de noite.Quando você compra um ônibus ou trem noturno, acabam economizando com uma diária. A maioria esmagadora de hostels e hotéis na Europa, deixam você guardar a sua mala em uma salinha deles depois de ter feito o check out.

Se for viajar de noite, não precisa pagar a hospedagem desse dia. Por exemplo, você está saindo do hostel às 10 horas da manhã de uma sexta feira. Se for viajar durante a noite de sexta para sábado, sua próxima hospedagem será a partir das 10 horas de sábado. Desta forma, você não está pagando pela hospedagem de sexta para sábado, pois irá passar a noite dentro do transporte.

Usamos muito desse tática! Na Itália eu usei essa tática entre Veneza e Roma. Passei o dia em Veneza e peguei um ônibus noturno até Roma, logo economizei uma diária entre as cidades mais caras da Itália. Ótima ideia!

Saiba mais: Roteiro pela Toscana: conhecendo Siena e San Gimignano em um dia

Nossas sugestões de hospedagem na Itália

Se você está buscando alguma sugestão de hospedagem, deixo algumas aqui para você:

Ou você pode usar a caixa de pesquisa do Booking.com e escolher a hospedagem que mais combina com você!

Booking.com

  1. Como economizar com aluguel de carro

Antes de alugar um carro, analise a real necessidade de gastar dinheiro aqui. A Europa no geral é muito bem conectada e existem várias empresas de transporte e elas sempre fazem promoções. Verifique se o aluguel de um carro não vai encarecer sua viagem. Eu, por exemplo, fiz todos os trechos da Itália de trem. Coloque no papel os preços de cada um e faça um comparativo!

Mas aqui deixo um porém. Se você tiver as condições de alugar um carro, para quem vai para Toscana é uma boa ideia. É uma região difícil de opções de transporte e mesmo que sempre possíveis, você fica preso aos poucos horários que eles oferecem.

Agora, não se esqueça de calcular gasolina, pedágio, estacionamento (sempre confira se o hotel ou hostel oferece) e eventuais multas de trânsito – sim, a Itália multa bastante. Por isso, já deixo aqui um post sobre como evitar ser multado.

Se for uma coisa que realmente quer (ou precisa), busque reservar com antecedência. Mais uma vez, se planejar e preparar antes ajuda a poupar uma graninha. Fique de olho também nas promoções. Outra vantagem da antecedência é poder monitorar os sites e aguardar promoções (busque fazer isso na janela anônima).

Compare o preço das empresas! Pode achar uma grande diferença entre elas. Para isso, use este site.

Saiba mais: Itália: dicas de viagem para Cinque Terre

Seguro viagem

Aqui, vale lembrar que seguro viagem é OBRIGATÓRIO para a Europa. Já falamos sobre o seguro viagem para a Europa e como escolher a melhor opção em outro post, que deixo aqui para que você viaje garantido e economizando com o melhor custo X benefício.

Como escolher o melhor seguro viagem para a Europa


Dica bônus: passes de atrações

Deixo aqui uma dica que aprendi viajando e vendendo viagens: passes de atrações.

Os passes de atrações são aqueles cartões da cidade que te dão acesso às principais atrações e, quase sempre, transporte público ilimitado. É uma opção excelente para quem quer economizar, porque sai mais barato comprar o cartão que pagar cada atração separada.

Mas aqui está o pulo do gato: só vai valer a pena para você se tiver a intenção de visitar as atrações pagas. Se você está planejando aproveitar as atrações gratuitas que cada cidade oferece e no máximo pagar para entrar no Coliseu, então o cartão não é para você.

No entanto, se você juntou dinheiro e quer conhecer as cidades mais afundo sem perder a oportunidade de visitar a Capela Sistina, por exemplo, então pegue lápis e papel e faça as contas! Pode ser que os cartões sejam uma economia para você.

Se está com preguiça de fazer as contas ou não sabe muito bem por onde começar, deixo aqui algumas sugestões. Para Roma, se você pretende visitar o Coliseu, Foro Romana, Capela Sistina, Museu do Vaticano e usar transporte público, então o OMNIA Card (Roma e Vaticano) vale a pena para você SIM!

No caso de Florença, se você pretende entrar em museus como a Galleria degli Uffizi, o Museu de Florença, no Palazzo Vecchio e ainda usar o transporte público, então o Firenze Card também vale a pena SIM.

Falo isso porque muita gente não tem interesse em museus. Para essas pessoas, realmente não vale a compra. Mas se você gosta destes passeios, então vale a pena e acaba virando uma economia.

Lembre-se sempre que economia não é deixar de gastar e sim gastar com sabedoria.


Navegador, este post contem links de afiliados. Ao reservar sua hospedagem no Booking.com, comprar sua passagem pela Max Milhas, suas atrações pela Get Your Guide ou seus passes de atrações usando os links acima, o DDN receberá uma pequena comissão. Não se preocupe, você não paga nadinha a mais por isso! É apenas uma forma de ajudar o blog a continuar trazendo conteúdo gratuito de qualidade sem tirar do seu próprio bolso.


Está planejando sua viagem para a Itália e já quer entrar no clima? Então confira nossa playlist do Spotify “Impariamo l’italiano”! Aproveita e segue a gente lá para você não perder nenhuma playlist!

Se você gostou desse post e quer dar uma olhadinha nele outras vezes, salve a imagem abaixo no seu painel de viagens no Pinterest! 😀

Por estar na zona do Euro, a Itália acaba sendo um país um pouco caro de se conhecer. A moeda é um pouco desfavorável e o custo de vida um pouco alto. Para fazer a minha viagem pela Itália, foi preciso muito planejamento. E é com este espírito que resolvemos fazer este post para te ajudar a economizar na Itália!

E você? Já esteve na Itália? Compartilhe sua experiência!

Lembre-se que o DDN está aberto a críticas e sugestões via Facebook, comentários e através do nosso contato direto

Escrito por
Mais de Mar Falco

Bolonha: cidade base para conhecer o norte da Itália

Capital e maior cidade da Emilia-Romagna, Bolonha (ou Bologna em italiano) é...
Leia Mais

Compartilhe suas ideias!